O Google e a Google (O buscador e a empresa)

Estávamos vendo no post “História dos buscadores – Dos diretórios ao surgimento do Google” que o buscador Google surgiu em uma época em que houve um verdadeiro boom na internet – Uma explosão de conteúdo, com milhares de sites entrando na rede diariamente. Todos os sites querendo aparecer para quem buscava por produtos e serviços. As antigas listas telefônicas começaram a cair em desuso uma vez que procurar na internet era mais rápido e podíamos não só localizar os telefones das empresas, mas também conhecer sua estrutura, seus serviços e produtos. Muito mais prático que aqueles imensos catálogos!

Google, tela inicial do buscador em 1997. Como funcionam os buscadores

Apareceram vários serviços onde era possível buscar pelos sites na internet, mas todos eles começaram a apresentar alguns problemas com relação aos resultados apresentados (esses problemas já foram mencionados no post da história da internet).

Nessa época (1995) dois estudantes da Universidade de Stanford, Sergey Brim e Larry Page estavam realizando um trabalho para a faculdade, onde se propunham, de forma descompromissada, a resolver o problema de classificação de sites na internet. Eles criaram uma metodologia onde os sites eram classificados não manualmente, ou automaticamente de acordo com os critérios de palavras-chave, mas de acordo com o que eu chamo de um “sistema de relacionamento”. O que define se um site é importante ou não é a sua rede de relacionamentos.

 

Link building. O início do Google
– Site 5 não tem links apontando para ele;
– Site 1 possui um link apontando para ele;
– Site 4 possui 2 links para ele;
– Site 2 possui 3 links;
– Site 3 possui 5 links apontando para ele…

 

Costumo explicar para meus clientes que esse algoritmo do Google funciona como uma propaganda boca-a-boca. Se eu estou procurando uma máquina de escrever para comprar, a máquina que tiver mais referências circulando por aí é a que primeiro vai ganhar minha simpatia, certo?

E esse foi o começo do Google buscador. Um programa que rastreava a internet, de site em site, armazenando o conteúdo de texto encontrado em todas as páginas daquele endereço, e seguindo os links que ele encontrava, contabilizando cada link de um site para outro como uma indicação.

Então: se um site possui um link apontando para ele e outro possui 5, qual é o mais importante e deve aparecer em primeiro nos resultados de busca?

 

Bom, esse foi o princípio.

Com o lançamento do site de buscas, as pessoas ficaram encantadas, pois os resultados que retornavam eram muito mais relevantes do que os apresentados por outros sites. A aceitação ao Google buscador foi quase que imediata.

Se a proposta de Sergey e Larry era a de melhorar a experiência das pessoas na internet, eles conseguiram! Em 1997 o Google, que até então utilizava o nome de BackRub, foi rebatizado com o nome de Google.

 

Tela inicial do Yahoo. Tela poluída, cheia de links e opções que desviavam a atenção dos internautas

 

Mas a preocupação deles não parou por aí. Até o layout do site era muito mais simples. Enquanto os outros apresentavam uma diversidade de links e banners de propagandas, links para chats, e-mails, etc, o Google apresentava uma página extremamente simples, de carregamento rápido e fácil de utilizar. Ponto para eles. Conseguiram atingir seus primeiros objetivos!

Só que aí apareceu o primeiro problema… Os servidores da universidade estavam sobrecarregados e eles precisaram sair de lá. Toda a estrutura de servidores para armazenar todas as informações do máximo de sites que seu programa conseguia rastrear, o processamento das informações, programadores… Tudo isso custava caro, muito caro! Eles, assim como as demais empresas iniciantes do Vale do Silício, precisavam urgente de alguém que acreditasse no projeto e investisse uma quantia muito considerável.

Um problema… A página do Google era lisinha, sem propagandas… Quem investiria uma fortuna em um projeto que não tinha ainda a menor ideia de como iria se tornar lucrativo?

 

Deixo a pergunta para ser respondida pelo vídeo abaixo. Trata-se da edição de uma série produzida pelo DiscoveryChannel. Não encontrei o link do filme nos canais da produtora, por esse motivo separei algumas partes que ilustravam bem o nosso assunto aqui.

Bom, a questão da introdução da publicidade nos resultados de buscas do Google – os links patrocinados – ficou bem clara, não? Foi com o rendimento das campanhas de Adwords que o Google construiu seu império! Bilhões de microtransações!

Sobre as mudanças do buscador Google até seu formato atual vou falar semana que vem, ok?

Até lá, faça o exercício de, cada vez que estiver utilizando o Google, Youtube ou qualquer outro serviço da Google, prestar atenção nas páginas, o que te agrada, quais seriam as suas críticas. Experimente também utilizar os serviços do Bing e do Yahoo, ou outros desses buscadores modernos…

Ah, e deixe seus comentários, dúvidas ou sugestões ali em baixo…

Curta nossa página no facebook para ficar ligado nas notícias do mercado, ou inscreva-se aqui no blog!

Até semana que vem!

Otimização de sites, Links Patrocinados, Midias Sociais. Divulgação de sites na Internet

FacebookTwitterGoogle+

Heloisa Gaspar

Analista de SEO como profissão; Motociclista por opção!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


cinco × 5 =

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>