Fechamento de caixa, a conta não está batendo?

Se as contas não estão batendo no final do expediente é sinal que alguma coisa está muito errada!

 

Sistema pdv - Fechamento de caixa

 

Um estabelecimento comercial que tem o objetivo de vender não pode se dar ao luxo de perder dinheiro, certo? Por isso mesmo é que a operação de fechamento de caixa deve ser realizada com seriedade e muito cuidado!

FECHAMENTO DE CAIXA significa verificar se o valor presente no caixa (dinheiro, cheques, comprovantes de operações com cartões, vales, vouchers, etc) confere com todas as movimentações realizadas durante o período em apuração (compra, venda, repasses financeiros e pagamentos) realizadas durante o expediente de trabalho.

 

Para evitar defasagens no fechamento do caixa é necessário que a empresa possua uma metodologia de trabalho, porque quando as falhas no registro das transações financeiras não são sanadas a tempo podem surgir problemas maiores.

Para que a empresa tenha um maior controle de seu fluxo de caixa, além do fechamento do caixa, é importante (mais…)

FacebookTwitterGoogle+

Leia Mais

8 Motivos para adquirir um sistema PDV homologado imediatamente

 

Melhor sistema PDV

 

Você tem um comércio e ainda não se decidiu sobre adquirir um sistema pdv homologado?

Veja então as razões que apresentamos para você:

 

  • Emissão do documento fiscal (ECF/NFC-e ou CF-e SAT)

    • assim evitará multas: Há muitos anos que CONFAZ tornou obrigatório um sistema para controle dos ECFs , o PAF-ECF. O ECF substituiu a emissão manual das notas fiscais ao consumidor. Desde então, os sistemas de emissão de documentos fiscais vem sofrendo algumas alterações. Hoje os comércios devem optar pelo PAF-ECF, SAT-CFE ou NFC-e, dependendo do estado onde estiver sediado o estabelecimento. Daí a necessidade de contratar um sistema homologado e que funcione em todo o território nacional!

 

 

  • Agilidade na venda:

    • Sem dúvida alguma um sistema de frente de loja bem desenvolvido garante ao estabelecimento uma agilidade maior nas vendas, garantindo facilidade de acesso às telas, busca de informações dos produtos cadastrados no sistema, controle das vendas e estoque. Tudo isso integrado!

(mais…)

FacebookTwitterGoogle+

Leia Mais

Convênio ICMS 25/2016: Cupom fiscal – Impressão dos códigos CEST e NCM

Entrou em vigor em 1º/06 a determinação do Convênio ICMS 25/2016, que torna obrigatório, a partir de 01 de junho de 2016, a impressão do código CEST (Código Especificador da Substituição Tributária) e NCM/SH (Nomenclatura Comum do Mercosul – Sistema harmonizado) na descrição do item no Cupom fiscal.

Leia o texto do convênio na íntegra

 

Convênio ICMS 25/2016, que torna obrigatório a impressão dos códigos CEST e NCM na descrição do item no cupom fiscal. O Vixen, sistema pdv jatende a essa obrigatoriedade

 

CONVÊNIO ICMS 25, DE 8 DE ABRIL DE 2016

 

Publicado no DOU de 13.04.16

 

 

Altera o Convênio ICMS 09/09 que estabelece normas relativas ao equipamento Emissor de Cupom Fiscal (ECF) e ao Programa Aplicativo Fiscal-ECF (PAF-ECF) aplicáveis ao fabricante ou importador de ECF, ao contribuinte usuário de ECF, às empresas interventoras e às empresas desenvolvedoras de PAF-ECF e dá outras providências.

 

O Conselho Nacional de Política Fazendária – CONFAZ, na sua 160ª Reunião Ordinária, realizada em Manaus, AM, no dia 8 de abril de 2016, tendo em vista o disposto nos arts. 102 e 199 do Código Tributário Nacional (Lei nº 5.172, de 25 de outubro de 1966), resolve celebrar o seguinte

 

C O N V Ê N I O

 Cláusula primeira A cláusula quinquagésima quarta do Convênio ICMS 09/09, de 03 de abril de 2009, passa a vigorar com a seguinte redação:

 

Cláusula quinquagésima quarta Os códigos utilizados para identificar as mercadorias ou prestações registradas em ECF devem ser:

I – Número Global de Item Comercial – GTIN (Global Trade Item Number) do Sistema EAN.UCC;

II – Código Especificador da Substituição Tributária – CEST , quando for o caso;

III – Nomenclatura Comum do Mercosul / Sistema Harmonizado – NCM/SH, quando for o caso.

§ 1° Na impossibilidade de se adotar a identificação de que trata o inciso I, deverá ser utilizado o padrão EAN – European Article Numbering e, na falta deste, admite-se a utilização de código próprio do estabelecimento usuário.

§ 2º O código a ser utilizado para o registro das prestações observará a lista de serviços anexa à Lei Complementar nº 116, de 31 de julho de 2003, admitindo-se a utilização de acréscimos a partir do código previsto na referida lista.

§ 3º Os códigos devem estar indicados em Tabela de Mercadorias e Serviços especificada na ER-PAF-ECF a que se refere a cláusula trigésima terceira.

§ 4º A critério da unidade federada, poderá ser exigido do contribuinte que, havendo alteração no código utilizado, no caso de utilização de código próprio como previsto no § 1º, anote o código anterior e a descrição da mercadoria ou serviço, bem como o novo código e a descrição da mercadoria ou serviço e a data da alteração no Livro Registro de Utilização de Documentos Fiscais e Termos de Ocorrência.

§ 5º Os códigos CEST e NCM/SH, previstos no Convênio ICMS 92/15, de 20 de agosto de 2015, devem ser impressos no Cupom Fiscal no campo descrição da mercadoria, a partir do primeiro caractere, da seguinte forma:

#código CEST#NCM/SH#descrição da mercadoria

 

§ 6º Ficam obrigados à regra prevista nesta cláusula os contribuintes usuários de ECF desenvolvidos nos termos deste convênio e do Convênio ICMS 85/01.”.

 Cláusula segunda Este convênio entra em vigor na data da publicação, produzindo efeitos a partir do primeiro dia do segundo mês subsequente ao da publicação.

 

(fonte: https://www.confaz.fazenda.gov.br/legislacao/convenios/2016/cv025_16)

FacebookTwitterGoogle+

Leia Mais

Lei “De olho no imposto” – Volpe e Vixen Preparados para a Nova Legislação

Empresários e consumidores sempre reclamam sobre a carga tributária incidente sobre serviços e produtos no Brasil, fazendo com que os preços no Brasil sejam tão caros e pouco competitivos em relação a outros países. Como uma forma de esclarecer isso, foi publicada em 12/12/2012 a Lei nº 12.741/2012, também conhecida como lei “De olho no imposto” ou “Lei da transparência”.

Essa lei, que entra em vigor no dia 08 de Junho de 2013, tem como objetivo expor aos consumidores o quanto os tributos influenciam na formação de preço dos produtos e serviços.

Ao fazer uma compra ou contratação, o consumidor recebe uma nota fiscal ou documento equivalente. Com a entrada dessa nova lei, qualquer um desses documentos deverá mostrar o valor aproximado dos tributos federais, estaduais e municipais que incidam no caso e influenciam o preço.

O estabelecimento poderá exibir os impostos, de maneira clara, através de painel afixado em local visível, ou por qualquer meio eletrônico ou impresso. Outra maneira, é através da própria etiqueta do produto. No entanto, as alíquotas dos tributos podem variar de acordo com o produto, sendo necessária a apuração do valor dos tributos incidentes em relação a cada mercadoria ou serviço, separadamente.

Alguns tributos que influenciam no preço das mercadorias e serviços e que deverão ser divulgados ao consumidor: ICMS, ISS, IPI, IOF, PIS/PASEP , COFINS, CIDE.

Nossos softwares de gestão empresarial e automação comercial, Sistema ERP Volpe e Sistema PDV Vixen respectivamente, já estão preparados para suprir essa necessidade. Até a data de início da lei “De olho no imposto”, faremos a atualização devidas. Para os que adquirirem o software posteriormente, terão as funcionalidades em custo adicional

Você pode ler a lei completa através do link abaixo:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2012/Lei/L12741.htm

 

FacebookTwitterGoogle+

Leia Mais

PWI no Linkedin

PWI no Linkedin
Conheça a página da PWI no Linkedin

Inauguramos oficialmente a página da PWI na maior rede social de negócios da internet, o Linkedin!

Lá você poderá conhecer nosso portfólio completo de produtos: Sistemas ERP, PAF-ECF, BI, e-commerce, entre outros. Também poderá conectar-se com os colaboradores da empresa, além de poder recomendar os nossos produtos para novos parceiros. (mais…)

FacebookTwitterGoogle+

Leia Mais

Ato Cotepe 01.13: Vixen homologado – “ato Cotepe 35/05″ e controle de troco em cartão

É com bastante satisfação que comunicamos a nova homologação do sistema PAF-ECF Vixen de acordo com a nova versão do Ato Cotepe 01.13 contendo os requisitos da geração do arquivo “Ato Cotepe 35/05” e do controle de “troco em cartão”.

Para os interessados no assunto, explicamos alguns conceitos:

Cupom fiscal – impresso diretamente através do ECF; substitui a emissão de notas fiscais manuais.

ECF – emissor de cupom fiscal (aqueles cupons que saem diretamente das impressoras que ficam nos caixas de lojas, supermercados). O equipamento, para ser considerado ECF necessita apresentar características contidas no Convênio ICMS 156/94 (faça o download do arquivo em pdf aqui).

PAF –ECF – Programa aplicativo fiscal – software de controle das impressoras fiscais. Todo sistema para ser considerado um PAF-ECF precisa passar por uma análise em um dos órgãos credenciados pelo COTEPE/ICMS para obter o LAUDO DE ANÁLISE FUNCIONAL PAF-ECF.

 

Até esta última versão, a homologação do sistema precisava ser feita anualmente. A partir de agora a homologação passa a valer por 2 anos.

As novidades mais impactantes do Ato Cotepe 01.13 é conter os requisitos da geração do arquivo “Ato Cotepe 35/05” e do controle de “troco em cartão”.

Ato Cotepe 35/05 – geração em arquivo digital dos dados concernentes à emissão de documentos, escrituração de livros fiscais, lançamentos contábeis, guias e relatórios fiscais e outros documentos de informação correlatos. Similar ao SPED que, segundo conta, começa a ser exigido em Pernambuco e Distrito Federal

Controle de “troco em cartão” – específico e obrigatório no estado de Santa Catarina para mercados e mini-mercados – poderia ser traduzido como um saque em dinheiro de determinado valor em um terminal de ponto de venda.

A PWI foi a primeira empresa em São Paulo a ser homologada pela Polimig com o controle de “troco em cartão”

PAF-ECF - homologação ato Cotepe 01.03

Para Gustavo Chicoli, supervisor da equipe de desenvolvimento do Vixen   “O importante é que concluímos com êxito todos os requisitos do roteiro e finalizamos em tempo recorde toda a homologação, garantindo o laudo de análise funcional do PAF-ECF para a nova versão 1.40 do Vixen PDV, mantendo o compromisso com os nossos clientes.”

Conheça o sistema pdv (paf-ecf) Vixen

FacebookTwitterGoogle+

Leia Mais